Número total de visualizações de página

terça-feira, 24 de maio de 2011

Um olhar crítico e reflexivo sobre o consumismo


Comprar este mundo e o  outro.


Tenho andado preocupada com o nosso mundo actual. Isto, levou-me a fazer uma leitura mais cuidadosa das notícias do mundo. Foi por isso que encontrei esta AQUI que se refere, entre outras coisas, ao consumo desenfreado, ou seja ao que podemos chamar consumismo. São muitos os problemas que  aparecem hoje em dia, em resultado desta atitude. A propósito deste tema, escolhi um pequeno vídeo que ilustra esta questão. Também decidi escrever uma pequena reflexão pessoal.

Consumir, consumir, consumir!....


Consumir é necessário, faz parte das nossas vidas e é até uma forma de socialização. Contudo, a distância que separa aquilo que é a conscência do que realmente é preciso e importante, e a quase paranóia de consumir tudo o que de facto não necessitamos, é enorme e torna-se importante separar "as águas".Nos tempos que correm, em que a palavra crise está tão presente em todos nós, os próprios meios de comunicação social têm ou deveriam ter, um papel fundamental na consciencialização das pessoas, não incentivando à compra de determinado produto, com o recurso às "promoções", quantas vezes enganosas, e que nos obrigam, sem darmos por isso, a comprar mais do que é preciso.Os pais de jovens e adolescentes devem ter uma participação activa no sentido de não deixar que os filhos "exijam mundos e fundos" sem se importarem com as dificuldades que possam ou não existir. Cabe aos pais incutir neles o espírito da humildade e o sentido da responsabilidade, mostrando-lhes a diferença entre aquilo que é de facto importante e aquilo que é perfeitamente prescindível. Pensar nos países subdesenvolvidos, nas crianças com fome, naqueles que para comerem têm de recorrer aos restos que ninguém quer e olhar depois para outros que simplesmente gastam milhões em carros e casas, centenas em almoços, roupas e sapatos de marca, enfim... temos de admitir que de facto o nosso mundo é muito complexo e cheio de contradições. Curar depressões com compras, resolver solidões com compras, leva-nos inevitávelmente a situações complicadas, que podem acabar em becos sem saída e de onde dificilmente se escapará. Penso que a palavra chave é Consciencialização. O consumismo é, de facto, um mal das sociedades modernas que toma dimensões descontroladas, levando muitas vezes ao desmoronar de famílias e até ao suicídio, porque se torna de facto numa dependência e, como todas as dependências, faz-nos escravos e assim, deixa-nos privados de tudo aquilo que realmnente é importante e fundamental nas nossas vidas, e que se resume simplesmente a Viver!


Sem comentários:

Enviar um comentário